Blog


Dados climáticos no PV*SOL 2022: Meteonorm 8.1, PVGIS, Solcast e fontes externas

Publicado em 06 de dezembro de 2021

O clima está mudando continuamente e os dados climáticos que usamos no software de simulação devem refletir essas mudanças. O software PV*SOL procura acompanhar essas mudanças para garantir que você, como integrador, consiga estimar o rendimento das instalações com a melhor precisão.

O PV*SOL usa, por padrão, dados fornecidos pela empresa Meteonorm, uma das mais reconhecidas mundialmente (outros programas, como o PVsyst usam a mesma fonte) e acompanha suas atualizações (veja o changelog). Desta forma, PV*SOL 2022 adotou a versão 8.1 da Meteonorm, que modernizou os dados de irradiação para o intervalo de 1996 até 2015.

Vamos conhecer as mudanças que ocorreram em parte do Brasil com essa atualização, como também falar sobre o acesso direto a outras fontes de dados. No final, vamos discutir como trabalhar com as fontes meteorológicas na prática.

Formato TMY em intervalos horários

Antes de tudo, é importante entender o formato TMY (typical meteorological year), usado pelo PV*SOL: os dados representam um ano típico com todas as suas oscilações em cada local.

O formato TMY é composto por medições reais que representam o clima local, seguindo um algoritmo complexo. Com isso, ele traz muito mais informação do que a mera média mensal e pemite calcular o rendimento do sistema fotovoltaico com muito mais exatidão.

Imagine, em comparação, um local onde a temperatura é constante em 24°C, dia e noite, ao longo dos 365 dias do ano. Seria um local agradável para se viver e onde o ar condicionado pode até ser dispensado.  Rio de Janeiro, na teoria, é um local agradável assim, porque tem uma temperatura média de 24°C. Só que são as fortes oscilações entre dia e noite e entre inverno e verão que nos obrigam a usar aparelhos de ar condicionado nas horas quentes do ano.

Mudanças nos dados Meteonorm

O PV*SOL 2021 usava dados do Meteonorm versão 7.3, que apresentava a seguinte distribuição regional da irradiação.

 

Na versão Meteonorm 8.1, a distribuição da irradiação ficou da seguinte forma:

Fica evidente um aumento da irradiação na maior parte do Brasil. Somente em algumas regiões do Nordeste houve redução da irradiação. O seguinte mapa mostra a mudança até a versão 8.0 (que está praticamente igual a 8.1):

Para todos os mapas, a Meteonorm informa uma uma incerteza de 6%.

Novas fontes PVGIS e SolCast

PVGIS é uma base de dados com aplicativo oferecidos pela Comunidade Européia, com acesso gratuito.

Solcast é um serviço comercial para dados climáticos que permite algumas buscas gratuitas por mês (consulte os valores no site). No primeiro acesso, o PV*SOL cria uma conta no site que será usada em seguida.

As duas fontes foram incluídas para oferecer ao usuário uma maior diversidade e para facilitar a comparação entre as diferentes fontes.

O acesso a essas fontes ocorre pela mesma tela que já permitia inserir dados de fontes externas (ex. CRESESB-Sundata).

Neste contexto é importante estar ciente à diferença na qualidade de dados: quando se usam dados disponíveis em médias mensais, então o PV*SOL gera dados em intervalos horários através de um algoritmo que respeita as médias. No entanto, não é possível representar as oscilações reais presentes no formato TMY original.

Como trabalhar na prática

Diferentes fontes meteorológicas sempre trazem diferentes valores, ainda mais num país como o nosso que não conta com uma estrutura boa de medição em solo. As novas fontes foram introduzidas ao PV*SOL justamente para oferecer uma variedade maior que permite a você escolher a melhor de acordo com as suas preferências:

  • Se você prefere fazer estimativas cuidadosas que, depois, serão superadas pelo rendimento do sistema instalado, então use uma fonte que oferece, na sua região, valores mais baixos;
  • Se você fez boas experiências com a base antiga do Meteonorm 7.3.2, então pode continuar a usá-la: basta abrir um projeto antigo que foi criado com esses dados que eles estarão disponíveis no seu computador;
  • No caso contrário, se você estava perdendo vendas porque a concorrência apresentava propostas mais promissoras, então você deve procurar fontes com uma irradiação mais alta.

Uma outra forma de baixar o rendimento é inserir perdas adicionais em campos como sujeira ou perda pelo espectro.

Bancabilidade e Probabilidade da Prognóstico

Vamos ampliar um pouco o horizonte para entender melhor a característica da prognose do rendimento.

Normalmente, o PV*SOL calcula a prognose para um rendimento médio do sistema fotovoltaico. Esse rendimento será superado em 50% dos anos, e não será alcançado na outra metade dos anos. Em referência a 50%, esse prognóstico é chamado de P50.

Investidores costumam exigir prognósticos mais conservadores, que serão superados em 90% ou 95% dos anos: eles desejam prognósticos P90 ou P95. O resultado é uma geração mínima garantida com ganhos adicionais na maioria dos anos.

O PV*SOL oferece esse cálculo para sistemas que vendem sua energia para a rede. Veja como:

  • Use como tipo do sistema é "Sistema conectado à rede", sem associação ao consumo;
  • Selecione como "conceito de injeção": "Injeção total";
  • Um link abaixo abre a janela que permite ajustar os parâmetros;
  • Nos resultados, essa probabilidade não aparece no resultado energético, mas na aba "Análise financeira"

Se você quiser fazer prognósticos mais conservadores, então visualize a redução de P90 ou P95 para o local do seu projeto e aplique esse percentual como perda num outro campo.